top of page

Estômago alto: Que problema é esse?

Hoje, vamos discutir sobre uma queixa muito comum, principalmente na população feminina, o estômago alto. Esse problema não pode ser considerado uma doença e, sim, um sinal que pode ser relacionado a diversas causas.


O que o estômago alto?

Geralmente, no caso de estômago alto, a pessoa relata que tem um aumento na parte superior do abdome, entre o rebordo das costelas e o umbigo. O problema pode ser fixo (ficar sempre aumentado) ou variável (quando só aparece quando relacionado a algum movimento ou alimentação).


A maioria dos casos não está relacionado a outros sintomas como dor, febre ou vômitos, mas quando eles aparecem é sinal de que um médico deve ser procurado imediatamente.


Principais causas do estômago alto

Agora, vamos entender um pouco mais sobre as causas do estômago alto e as possíveis formas de abordar cada caso.


1. Obesidade

Quando estamos acima do peso, o acúmulo de gordura no organismo se dá de maneira individualizada e em alguns casos pode ser predominantemente no abdome superior, o que se manifesta com um aumento local constante.


O diagnóstico de estômago alto se dá pelo exame clínico e, em alguns casos, por exame de imagem para descartar outros problemas.


Nesse caso, o tratamento vai ser voltado para a causa da obesidade e deve sempre envolver equipes multidisciplinares.


2. Intolerâncias alimentares

Cada um de nós manifesta intolerâncias a algum nutriente. Quando eles não são adequadamente digeridos e absorvidos pelo organismo, seus resíduos são aproveitados pelos microrganismos do nosso trato gastrointestinal e produzem gases que podem distender o abdome.

Mulher comendo uma salada
O tipo de alimento que consumimos pode interferir ou não na sensação de estômago alto

Esse tipo de sinal se manifesta com distensão abdominal pós-alimentar, associada ou não a dor em cólicas.


As principais classes de alimentos que são fermentáveis e associam-se com os sintomas de distensão alta são:

  • Leite e seus derivados: aproximadamente 30% dos brasileiros toleram mal o leite e quando ingerem a lactose, a molécula não digerida fica à disposição para fermentação pelas bactérias do trato gastrointestinal.

  • Glúten: os alimentos produzidos com trigo podem desencadear o problema em pacientes portadores de doença celíaca e naqueles que não toleram bem esse nutriente.

  • FODMAPS: os alimentos vegetais fermentáveis podem também produzir a distensão e mal-estar em pacientes, como:

    • Brócolis

    • Feijão

    • Repolho

    • Couve

    • Couve-flor

    • Ervilha

    • Cebola

A principal conduta será evitar os alimentos mal tolerados, mas para isso, é fundamental que o paciente tenha autoconhecimento. Em outras palavras, tentar fazer um diário alimentar pode ajudar e, em casos específicos, podemos solicitar exames diagnósticos.


3. Hernia epigástrica e diástase dos músculos abdominais

Essa é uma condição anatômica relacionada à fraqueza da parede abdominal. O problema se manifesta com a protusão das estruturas abdominais por meio de pontos enfraquecidos da parede, por algum defeito ou por afastamento dos músculos abdominais.


Nesses casos, o estômago alto se manifestará quando a pessoa fizer força com a barriga, como nos casos dos exercícios abdominais.


O diagnóstico é simples e é feito no consultório médico durante o exame físico ou com auxílio de ultrassonografia, ou tomografia do abdome.


O tratamento pode ser cirúrgico conforme a necessidade e sintomas do paciente.


4. Síndrome do intestino irritável

O Síndrome do intestino irritável é um problema funcional, ou seja, não há doença orgânica. A pessoa sente desconforto abdominal associado ao funcionamento intestinal.


Um dos principais sintomas da síndrome do intestino irritável é a distensão abdominal. Porém, para o diagnóstico ser fechado adequadamente, existem critérios bem definidos, tendo que haver desconforto abdominal e alteração do hábito do intestino.


Conclusão sobre o estômago alto

O que observamos na nossa prática clínica é que raramente a queixa de estômago alto está relacionada com problemas graves de saúde, mas isso não significa que o problema deve ser subestimado.


Sempre que houver sinais de alerta associados, devemos pesquisar e excluir doenças como câncer, doenças inflamatórias intestinais e infecções.


A mensagem que fica, então, é, se abordadas adequadamente, as principais causas do estômago alto são tratáveis, com melhora significativa da qualidade de vida dos pacientes. Então, procure ajuda.


Boa semana a todos!

bottom of page