top of page

Constipação intestinal: quais são as consequências?

O tema constipação intestinal foi o mais popular em nossa enquete da semana passada no meu Instagram. Os seguidores enviaram dúvidas como:

  • É normal ter funcionamento lento do intestino?

  • Prisão de ventre aumenta do risco de câncer?

  • O intestino é anatomicamente diferente em pessoas com intestino preso?

Essas e outras dúvidas mostraram como ainda a constipação traz muitas questões a cabeça de cada um.


Não era para menos…


Constipação intestinal afeta muitas pessoas

Cerca de 19% da população é constipada, sendo um problema mais comum em mulheres – entre elas, até um terço apresenta alguma dificuldade de evacuar.


A frequência desses distúrbios varia de acordo com a cultura do país, isto é, verifica-se maior sofrimento em populações ocidentais e que baseiam sua alimentação em produtos industrializados e ultraprocessados.


Assim, o nosso papel aqui é desmistificar e tentar estruturar como se comportar frente ao funcionamento intestinal lento.


Como saber se tenho intestino preso?

Achar que ter intestino preso significa apenas não ir ao banheiro todo dia está errado – qualidade de vida não é só isso. Vamos aprender um pouco mais sobre isso?


Pela literatura médica, o que é prisão de ventre?

Confira os critérios médicos para definição de constipação intestinal. Para considerar que uma pessoa sofre com isso, devem ser contabilizados pelo menos dois dos sintomas abaixo nos últimos 3 meses:

  • esforço defecatório durante pelo menos um quarto das evacuações

  • fezes endurecidas ou fragmentadas em pelo menos um quarto das evacuações

  • sensação de evacuação incompleta em mais de um quarto das evacuações

  • sensação de obstrução de saída das fezes em mais de um quarto das evacuações

  • necessidade de manobras manuais para auxílio defecatório em mais de um quarto das evacuações

Apesar desta classificação não ser difícil, vamos tentar simplificar:


O objetivo do movimento evacuatório é o esvaziamento completo do reto, sem esforço ou sofrimento, ou seja, fazer cocô deveria ser um momento de prazer.


Se isso não está acontecendo, se você passa tempo demais no banheiro, faz força, as fezes saem duras e quebradiças, ou está sofrendo para isto acontecer, há algo errado.


Mas prisão de ventre é sinônimo de doença?

A prisão de ventre não é causa de problemas de saúde, mas pode ser um sintoma consequente de algumas doenças:

  • Diabetes

  • Doenças psiquiátricas e/ou seu tratamento

  • Doença de Parkinson e/ou seu tratamento

  • Problemas de tireoide

  • Doença de chagas

  • Hipercalcemia

  • Insuficiência renal

  • Doenças neurológicas

  • Doenças autoimunes

Mas um anúncio importante: Até o momento, não há indícios de que o intestino preso tenha relação com o câncer de intestino, como escrevi neste texto.


Intestino preso pode causar sintomas em outros órgãos?

Com certeza! Ao contrário do que muitos pensam, não há apenas um sinal relacionado a um problema. Isto é, às vezes, a prisão de ventre pode se manifestar como dificuldade de urinar, dor pélvica, dor à relação sexual (inclusive ligada a endometriose) e disfunção erétil.


Alimentação e intestino preso

“Já sei, já sei… Se eu tenho intestino preso, basta comer frutas, verduras e tomar água que vou melhorar?”


Não, infelizmente, não é bem assim. Uma dieta regular com quantidade de fibras é fundamental, mas algumas pessoas precisam de ajuda, e alguns laxativos podem ser necessários.

Alimentação rica em fibras é fundamental, mas nem sempre é suficiente contra a constipação intestinal
Alimentação rica em fibras é fundamental, mas nem sempre é suficiente contra a constipação intestinal

O ideal é escolher bem as medicações e não achar que remédio natural é sempre bom. Escrevemos um texto bem legal sobre sene e outros laxantes.


Outras medicações para constipação intestinal

Principalmente quando a pessoa tem problemas de saúde que cursam com constipação, o uso de medicações pode ser indicados. Alguns deles não causam dependência e não perdem o efeito com o tempo, como:

  • PEG (polietilenoglicol)

  • Lubiprostona

  • Pucaloprida

Para saber mais sobre esse tema, clique aqui para ler um artigo específico.


O papel da fisioterapia na prisão de ventre

Outro fator fundamental com relação à constipação é o assoalho pélvico, uma vez que a musculatura da pelve tem papel fundamental na evacuação, e seu enfraquecimento pode gerar distúrbios na eliminação das fezes.


Esse problema é mais comum em mulheres e os sintomas mais comuns são:

  • Dificuldade de expulsão do bolo fecal

  • Evacuação incompleta

  • Necessidade de auxílio manual na defecação

A fisioterapia pélvica especializada é fundamental na abordagem destes casos e deve ser indicado em casos selecionados.


A constipação pode levar à cirurgia?

Infelizmente, nem tudo é passível de tratamento clínico, ou seja, algumas pessoas vão precisar operar. Cada caso deve ser analisado individualmente, mas os principais procedimentos utilizados para tratamento da constipação intestinal são:

  • Remoção de segmentos intestinais: utilizada no caso de diminuição da motilidade intestinal não responsiva ao tratamento clínico. Quando bem indicada, pode resolver o quadro de maneira definitiva.

  • Tratamento da retocele e enterocele: o enfraquecimento da musculatura pélvica e deformidade das estruturas pode exigir a correção e reforço, o que pode ser feito com cirurgias por via perineal ou abdominal.

  • Neuromodulação sacral: é uma técnica relativamente recente em que eletrodos são posicionados próximos aos nervos que controlam o assoalho pélvico e, com isso, estimulam a contração dos músculos certos e auxiliam no processo defecatório.

Mais uma vez, esse blog apresentou um tema que escolhido especialmente para vocês, e o melhor é que foram seus votos que o definiram. Podemos personalizar cada vez mais nossos debates semanais.


Fiquem bem!


Commentaires


bottom of page