top of page

10 dúvidas sobre a cirurgia robótica

Desde a implementação, a cirurgia robótica é motivo de grande fascínio, mitos e dúvidas por parte dos pacientes que nos procuram para o tratamento de doenças intestinais. Desde questões de simples resolução até aquelas que desafiam o especialista serviram de motivação para escrevermos o texto de hoje.


Em nosso blog tivemos a oportunidade de abordar artigos sobre essa nova modalidade de cirurgia que, a nosso ver, veio para ficar. O futuro é a cirurgia minimamente invasiva, e a tecnologia robótica tem grande possibilidade de avanço.


10 dúvidas sobre a cirurgia robótica

Agora vamos falar mais detalhadamente sobre alguns mitos acerca dessa tecnologia. Separamos aqui, as dúvidas mais comuns que chegam em nossa clínica.


1. O robô vai me operar sozinho?

Não, até o momento, todas as plataformas de cirurgia robótica são apenas ferramentas utilizadas pelo cirurgião para realizar uma operação de maneira minimamente invasiva, ou seja, sem utilização de grandes cortes.


Em outras palavras, a cirurgia robótica é uma maneira de auxiliar, mas quem opera é o médico e sua equipe.


2. Existe cirurgia robótica pelo SUS ou por convênio?

A utilização da plataforma robótica ainda é nova em nosso país e apenas poucas operadoras de saúde suplementar (convênios) disponibilizam a aplicação em seu rol. O SUS, por sua vez, não apresenta essa opção até o momento da publicação deste texto.


3. Quais as vantagens da cirurgia robótica?

Sobre as vantagens da cirurgia robótica, de maneira resumida, a utilização dessa plataforma permite que o cirurgião opere com:

  • Melhor visualização (as imagens são em 3D e com alta definição)

  • Maior delicadeza, uma vez que, por causa da máquina, há supressão do tremor natural do ser humano

  • Maior amplitude de movimento, visto que as pinças robóticas mimetizam a ação da mão humana.

4. Cirurgia robótica pode ajudar a tratar doenças anais?

Sim, existem casos, principalmente em lesões de reto, em que é possível fazer uma cirurgia robótica transanal. Todavia, são casos selecionados e não são todas as doenças anais que podem ser tratadas com essa modalidade.


5. Quanto tempo dura a cirurgia robótica intestinal?

O tempo da cirurgia robótica intestinal varia muito e depende de vários fatores como:

  • Doença a ser tratada

  • Localização do problema no intestino

  • Experiência da equipe

  • Características dos pacientes

Geralmente, a duração do procedimento varia entre 3 a 7 horas.


6. Qual é a diferença entre cirurgia laparoscópica e robótica?

Apesar de ambas serem consideradas técnicas minimamente invasivas, que utilizam cortes pequenos para acesso dentro da cavidade abdominal, a cirurgia laparoscópica se utiliza de pinças retas que são manuseadas diretamente pelo cirurgião e sua equipe, com imagem em uma tela de duas dimensões e sem a estabilização dos tremores das mãos humanas.

Diferenças entre a cirurgia laparoscópica e a robótica
Diferenças entre a cirurgia laparoscópica e a robótica

No caso da utilização da ferramenta robótica, as pinças são manuseadas pelos braços robóticos que conseguem mimetizar o movimentos da mão humana e com estabilização de pequenos tremores. Outro fator é que a imagem é vista em um visor 3D, o que melhora muito a definição de profundidade.


7. Qual é o valor de uma cirurgia robótica?

Infelizmente, os valores envolvidos na disponibilização da cirurgia robótica são altos e nem todos os pacientes conseguem ter acesso a ela. Uma notícia boa é que novas marcas de robô estão sendo desenvolvidas e, com isso, a concorrência deve possibilitar uma diminuição do preço da operação.


8. Como é a recuperação da cirurgia robótica?

A recuperação de uma cirurgia depende de:

  • Tamanho do procedimento

  • Localização

  • Condições do paciente

  • Processos anestesiologica

  • Resposta do organismo

Quando tudo acontece da maneira planejada, o tempo de internação é curto, cerca de três dias, mas a recuperação acelerada nem sempre é possível. A pessoa terá alta quando apresentar condições para ficar em casa em segurança.


Para saber mais sobre a recuperação acelerada em um pós-operatório, clique aqui para ler um texto sobre esse assunto.


9. Quem pode ser submetido à cirurgia robótica?

A princípio, qualquer paciente que tenha condições de ser operado pela técnica laparoscópica é candidato a cirurgia robótica.


De toda forma, sempre que indicamos um procedimento, solicitamos uma avaliação cardiológica e/ou anestesiológica para verificar se o indivíduo precisa estabilizar alguma doença ou está em situação de risco para operar.


10. O robô pode tomar o controle da cirurgia?

Essa pergunta vem desde a época dos filmes de ficção científica e tem se intensificado agora com as plataformas de inteligência artificial.


Mas a resposta de momento é “não”. As ferramentas robóticas disponíveis no mercado são assistentes e não têm independência de movimento.


Todavia, como toda máquina, pode haver movimentação anormal causada por alguma (rara) falha. Se isso acontecer, existe um botão que desliga emergencialmente o aparelho para que o problema seja corrigido.


Esperamos que a maior parte das dúvidas tenha sido sanada, mas, se alguma nova pergunta surgir, envie pelo meu Instagram e Facebook.


Até semana que vem!

Comentarios


bottom of page